Gabriella Demczuk/The New York Times
Gabriella Demczuk/The New York Times

Câmara dos EUA aprova projeto de financiamento ao governo Trump até setembro

Projeto será votado na sexta-feira no Senado e sua aprovação evitará a paralisação parcial da administração

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2017 | 17h54

WASHINGTON - A Câmara de Deputados dos Estados Unidos aprovou o projeto de orçamento de US$ 1,1 trilhão à administração de Donald Trump até o fim do ano fiscal de 2017, em setembro, evitando a paralisação parcial do governo por falta de fundos.

No começo da semana, democratas e republicanos haviam chegado a um acordo bipartidário para aprovar a medida, o que custou ao presidente a retirada do financiamento para o muro na fronteira dos EUA com o México - uma promessa de campanha de Trump -, além de manter os gastos do governo com projetos de saúde, assegurados pelo Obamacare. O acordo inclui um aumento de recursos para o Departamento de Defesa e para a segurança fronteiriça.

Na sexta-feira, data em que chega ao fim o financiamento atual ao governo Trump, o projeto deverá ser votado no Senado.

A última vez que os Estados Unidos sofreram uma paralisação parcial do governo por falta de recursos foi em 2013, uma situação que durou 17 dias, na qual milhares de funcionários federais não puderam trabalhar.

Obamacare. Mesmo diante do acordo estabelecido, que mantém gastos do governo com a saúde, os republicanos abrem uma nova ofensiva e pretendem votar nesta quinta-feira, 4, o projeto de lei para revogar grande parte do Obamacare.

É um possível avanço no esforço de reverter o programa de saúde do ex-presidente democrata e uma tentativa que pode terminar com a situação que atrasou Donald Trump de cumprir com sua promessa de campanha de revogar a lei.

A decisão de realizar uma votação ocorre depois que legisladores moderados se reuniram com o presidente norte-americano nesta quarta e disseram que um projeto de lei revisado poderia ser aprovado, uma vez que os conservadores não manifestaram objeções.

A última renovação do projeto de lei dos republicanos permitiria que os Estados escapassem de uma exigência atual que faz com que as seguradoras cobrem as mesmas taxas tanto de clientes saudáveis como dos gravemente doentes. Esse é um grande problema para os republicanos moderados, mas o anúncio de uma votação sinalizou que a liderança acredita que a medida vai passar.

O líder da maioria, Kevin McCarthy, disse que a liderança republicana está confiante. Ao ser perguntado sobre se tem votos suficientes, ele disse “sim”. Os líderes passaram dias lutando para arredondar os votos para a legislação.

Com informações das agências AFP e Reuters

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.