Câmara dos EUA aprova projeto de lei sobre 'ameaça' Rússia-Venezuela

Câmara dos EUA aprova projeto de lei sobre 'ameaça' Rússia-Venezuela

A votação coincidiu com a chegada este fim de semana a Caracas de dois aviões militares russos

EFE, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2019 | 01h53

WASHINGTON - A Câmara de Representantes (Deputados) dos Estados Unidos aprovou nessa segunda-feira, 25, um projeto de lei para "diminuir a ameaça russo-venezuelana" e outros dois para limitar o acesso do Governo de Nicolás Maduro a armas não letais e para aumentar a "ajuda humanitária" à Venezuela.

Os três projetos foram promovidos por congressistas democratas do estado da Flórida e os três foram aprovados por unanimidade.

O projeto sobre a chamada "ameaça russo-venezuelana" pede ao Departamento de Estado para estudar e apresentar ao Congresso uma medida para limitar a influência militar do Kremlin na Venezuela.

A votação coincidiu com a chegada este fim de semana a Caracas de dois aviões militares russos. Segundo a imprensa local, a bordo das aeronaves viajavam cerca de cem militares e toneladas de equipamento não identificado.

O projeto foi apresentado pela deputada Debbie Wasserman Schultz - lider do Partido Democrata entre 2011 e 2016 e que renunciou atingida por um escândalo ao tentar prejudicar Bernie Sanders durante as primárias à Casa Branca -, que discutiu no Twitter sobre a chegada de militares russos à Venezuela.

Outro dos projetos de lei aprovados na Câmara proíbe a venda ao Governo da Venezuela de gás lacrimogêneo, balas de borracha ou outro material antidistúrbios. O projeto amplia a proibição à venda de armas que está em vigor nos EUA sobre a Venezuela desde 2006.

"Com a aprovação da Lei de Restrição de Armamento à Venezuela, estamos mais um passo perto de nos assegurar de que não se utilizem armas com origem nos Estados Unidos para silenciar a dissidência", disse a congressista Donna Shalala, que apresentou o projeto.

Finalmente, a Câmara dos EUA aprovou um plano para destinar US$ 150 milhões em ajuda humanitária à Venezuela entre 2020 e 2021.

A proposta foi da deputada Debbie Mucarsel-Powell, que disse que o plano "aliviará a dor do povo venezuelano ao levar assistência humanitária de acordo com os princípios humanitários internacionais para aqueles dentro do país e na região".

Os projetos agora serão encaminhados para a análise do Senado, após terem sido aprovados por unanimidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.