Câmara dos EUA aprova veto a lei que proíbe gays declarados no Exército

Homossexuais que declarassem abertamente sua orientação sexual nas forças armadas poderiam ser expulsos

Efe,

28 Maio 2010 | 05h04

WASHINGTON - A Câmara de Representantes dos Estados Unidos se uniu a uma comissão do Senado e votou na quinta-feira, 27, a favor da revogação da lei que proíbe que os homossexuais que servem nas Forças Armadas declarem abertamente sua orientação sexual, sob pena de expulsão.

Com 235 votos a favor e 194 contra, a Câmara aprovou uma medida similar à que horas antes tinha sido votada pelo Comitê das Forças Armadas do Senado para acabar com a lei "Don't ask, Don't tell" ("não pergunte, não diga"), que só permite que homossexuais sirvam ao Exército se mantiverem sua orientação sexual em segredo.

Este é só mais um passo na revogação da lei, que ainda tem que passar pelo plenário do Senado, que deve votar a medida no próximo mês.

Tanto na Câmara quanto no Senado a medida fará parte de um projeto de lei sobre despesas de defesa do país. O secretário de Defesa, Robert Gates, deu seu apoio à medida, embora tenha sido destacada a importância do relatório que avaliará as implicações desta possível decisão após 17 anos de vigência da Lei.

A maioria dos democratas votou a favor, mas 26 se opuseram a seus colegas votaram contra, enquanto cinco republicanos votaram a favor.Para virar lei, a proposta tem que ir ao plenário do Senado e ser aprovada pelas duas Casas do Congresso.

Mais conteúdo sobre:
homossexuais, exército, EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.