Câmara dos EUA rejeita elevação do limite da dívida

A Câmara dos EUA rejeitou, por 318 votos a 97, um projeto de lei que elevaria o limite legal de endividamento do governo do país em US$ 2,4 trilhões. A rejeição já era prevista, já que o projeto foi apresentado por deputados do Partido Republicano como uma manobra para mostrar ao Partido Democrata, do presidente Barack Obama, que o Congresso só vai aprovar uma elevação no teto da dívida se ela vier acompanhada de um programa de redução de gastos.

RENATO MARTINS, Agência Estado

31 de maio de 2011 | 20h44

"Hoje, estamos deixando claro que os republicanos não vão aceitar uma elevação no limite da dívida de nosso país sem cortes de gastos substanciais e uma reforma orçamentária real", disse o presidente do Comitê de Recursos e Meios da Câmara, deputado Dave Camp (Partido Republicano/ Michigan).

O limite legal de endividamento, de US$ 14,29 trilhões, foi alcançado em 16 de maio, mas o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, disse que tem como aplicar "medidas extraordinárias" de modo a evitar um default até 2 de agosto. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
dívidagovernoEUACâmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.