Câmara dos Representantes dos EUA aprova programa de escutas

Segurança (NSA, na sigla em inglês) monitore as ligações internacionais feitas por suspeitos de terrorismo.Controlada pelo republicanos, a Câmara apoiou a medida por 232 votos contra 191. A legislação autoriza a realização de escutas telefônicas pelo governo sem a necessidade de um aval judicial.Segundo a agência de notícias Bloomberg, os republicanos argumentam que a lei permitirá a interceptação das comunicações por terroristas que usam laptops e telefones celulares para contatar agentes em potencial nos Estados Unidos.O programa de vigilância contra terroristas "é uma parte vital do esforço dos Estados Unidos contra ataques terroristas", disse representante republicano Pete Hoekstra, presidente do Comitê de Inteligência da Câmara. "Ele nos fornece avisos antecipados de planos terroristas, e sem isso corremos o risco de perder uma maneira privilegiada de ligar os pontos."Ainda segundo a Bloomberg, muitos democratas são contrários à legislação. "A lei autoriza o maior programa de espionagem clandestina contra cidadãos americanos já visto pelo Congresso americano", disse o representante James McGovern, de Massachussetts.O texto precisará agora ser aprovado pelo Senado, embora a instituição planeje entrar em recesso esta semana sem trazer à tona a medida, disse o líder da maioria no Senado, Bill Frist, um republicano do Tennessee.A NSA tem conduzido um programa de escutas, sem mandados judiciais, de ligações internacionais entre suspeitos de serem membros da Al-Qaeda em outros continente e pessoas nos EUA. O programa secreto foi desvelado em dezembro pelo jornal The New York Times. A União Americana de Liberdade civis e outros grupos de direitos processaram a NSA, argumentando que vigilância sem mandados judiciais violam dos direitos de liberdade de expressão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.