Câmbio é controlado

Na Venezuela, o câmbio é fixo e controlado com mão de ferro pelo governo. Até o mês passado, o dólar era cotado a 4,30 bolívares. Mas, no mercado negro, a moeda americana valia até seis vezes mais, reflexo da escassez do dólar no país, o que dificultava as importações e provocava falta nas prateleiras de produtos vindos de fora - especialmente alimentos. Com a desvalorização, o governo tenta obter mais receita em bolívares para equilibrar o déficit fiscal, já que gasta mais do que arrecada e a principal receita do país é a venda do petróleo. O efeito colateral é o aumento dos preços dos importados, que pressiona a inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.