Camboja acusa tropas tailandesas de cruzarem fronteira

O Camboja acusou tropas tailandesas de cruzarem seu território hoje. Um militar do país chegou a dizer que os dois lados estavam "prontos para lutar", mesmo quando um comandante tailandês insistia que tudo estava calmo e não houve invasão. Segundo funcionários cambojanos, mais de 100 soldados tailandeses armados entraram no Camboja, aproximadamente 1 quilômetro a oeste do templo Preah Vihear, do século 11. Eles ficaram várias horas na área antes de concordarem em se retirar. O templo é fonte de desavenças entre os países, na fronteira em que há disputa por territórios. No ano passado, dois confrontos ocorridos perto do templo geraram o temor sobre a possibilidade de uma guerra.

AE-AP, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 12h00

O capitão do Exército do Camboja Theam Thy disse que a incursão ocorreu pouco após o meio-dia (hora local). "A situação está muito tensa e os dois lados estão se preparando para lutar", afirmou ele. Após negociações, os tailandeses concordaram em deixar a área, segundo o comandante do Exército cambojano na área, general Yim Pim. Já o coronel Pichit Nakarun, do Exército tailandês, negou que tenha havido qualquer movimentação de tropas na zona. "A situação não está mais tensa que o normal."

Soldados dos dois países estão posicionados na fronteira desde julho de 2008, quando as tensões antigas pioraram após a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) concordar com o pedido do Camboja para nomear o templo Vihear como patrimônio da humanidade. Em 1962, a Corte Internacional de Justiça determinou que o templo pertencia ao Camboja. Porém a decisão não deixou claro a quem pertenciam as terras que circundam a construção. Os dois países têm mapas diferentes para demarcar suas fronteiras.

Tudo o que sabemos sobre:
CambojaTailândiainvasão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.