Camboja aprova plano para julgar líderes do Khmer Vermelho

Depois de sete anos de constantes atrasos, o Parlamento do Camboja aprovou um plano apoiado pela ONU para levar a julgamento os líderes sobreviventes do Khmer Vermelho. A intenção é julgar os suspeitos de atrocidades cometidas entre 1975 e 1979, quando cerca de 1,7 milhão de cambojanos morreram de fome, doenças, excesso de trabalho e execuções promovidas pelo regime comunista imposto pelo Khmer. Por unanimidade, os 107 parlamentares cambojanos apoiaram a formação de um tribunal composto por juízes e promotores locais e estrangeiros, abrindo caminho para o estabelecimento da corte. Ainda não se sabe quando começarão os procedimentos judiciais. A ratificação de hoje ainda precisa ser referendada pelo Senado e pelo chefe de Estado do Camboja.

Agencia Estado,

04 Outubro 2004 | 14h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.