Cameron ameaça retaliar imprensa por vazamentos

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, ameaça empreender ações retaliatórias não especificadas contra a imprensa na esteira dos vazamentos de informação sobre o alcance das ações de espionagem dos Estados Unidos pelo mundo.

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2013 | 17h33

Cameron não entrou em detalhes sobre quais medidas poderiam ser tomadas, mas advertiu que o governo "não poderia se omitir" caso os órgãos de mídia não demonstrem contenção com relação ao que divulgam.

Segundo ele, o governo vem tentando conversar com os veículos de comunicação sobre "como algumas dessas coisas (vazamentos de informações) podem ser prejudiciais". Mas, se esses veículos "não demonstrarem responsabilidade social, vai ser muito difícil para o governo omitir-se e não agir".

O Reino Unido não possui nenhuma lei específica que proteja a imprensa de intervenções formais, mas é relativamente comum funcionários do governo exerceram pressão sobre os veículos de comunicação para impedir que reportagens envolvendo questões de segurança nacional sejam publicadas.

As ameaças de Cameron vêm à tona em meio às revelações vazadas ao jornal The Guardian pelo ex-agente norte-americano Edward Snowden. As reportagens do Guardian, assinadas pelo jornalista Glenn Greenwald, expuseram o alcance e os alvos das ações de espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês), inclusive contra aliados. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoespionagemCameronGuardian

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.