Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Cameron anuncia plano para cortar gastos militares no Reino Unido

No total, 17 mil postos das Forças Armadas serão cortados e projetos serão adiados

Agência Estado e Associated Press

19 de outubro de 2010 | 14h04

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anunciou nesta terça-feira, 19, cortes no orçamento de Defesa do país. Milhares de soldados serão dispensados e o programa de mísseis nucleares do Reino Unido terá seu cronograma adiado, revelou o premiê.

 

Cameron publicou a primeira revisão na Defesa britânica desde 1998, com a meta de redefinir a estratégia e ajudar a reduzir a dívida pública nacional. Segundo ele, pelo menos 2,6 bilhões de libras serão cortadas do orçamento do setor. Com isso, o país desistirá de utilizar um porta-aviões que já tem certa idade e também alguns jatos.

 

Cameron disse aos parlamentares que um total de sete mil soldados britânicos serão cortados. Haverá ainda cinco mil cortes de pessoal na Marinha e outros cinco mil na Aeronáutica. Ainda segundo o premiê, um plano para um submarino de 20 bilhões de libras será atrasado para até depois das eleições nacionais de 2015.

 

Pelo plano, o Reino Unido retirará todas as suas tropas instaladas na Alemanha até 2020.

Apesar dos cortes, dois porta-aviões devem ser construídos pelo país, pois, segundo o governo, o custo de cancelar a construção dessas embarcações nesse momento seria maior que o de construí-las.

Tudo o que sabemos sobre:
cortegastoReino UnidomilitarCameron

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.