Cameron diz que é preciso haver mudanças 'irreversíveis' na UE

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, afirmou que a União Europeia precisa concordar com "mudanças irreversíveis", que iriam redefinir a relação de seu país com o bloco. As alterações permitiriam, por exemplo, que o Reino Unido restrinja pagamentos de benefícios a imigrantes vindos de outros membros do bloco.

Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2015 | 08h37

O Reino Unido realizará um referendo no fim de 2017 sobre se deixa ou não a UE. Cameron diz que deseja continuar no bloco, contanto que possa assegurar maior autonomia para seu país.

O premiê britânico detalhou suas demandas nesta terça-feira, em discurso em Londres e em uma carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. Segundo ele, o Reino Unido quer mudanças em quatro áreas, entre elas a proteção para os países de fora da zona do euro, menos burocracia e mais poder para os Parlamentos nacionais.

Outro ponto, que pode gerar mais divergências, é que o país quer controlar a imigração, podendo barrar imigrantes da UE e impedi-los de obter alguns benefícios durante quatro anos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoUEDavid Cameron

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.