Reuters
Reuters

Cameron diz que não descartou ataques aéreos

O ministro das Relações Exteriores britânico havia dito anteriormente que o Reino Unido "não tomaria parte em qualquer ataque aéreo na Síria"

Estadão Conteúdo

11 de setembro de 2014 | 17h36

Horas após o ministro das Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, dizer que o país não participará de qualquer ataque aéreo na Síria, o gabinete do primeiro-ministro David Cameron anulou o depoimento e afirmou que o governo ainda não descartou o uso de força aeronáutica.

Hammond disse a repórteres em uma coletiva de imprensa em Berlim que o Reino Unido "não tomaria parte em qualquer ataque aéreo na Síria". Ele afirmou que Londres não reveria a questão após o Parlamento votar no ano passado contra a participação nas ofensivas aéreas.

Um porta-voz do gabinete de Cameron, no entanto, contradisse esta posição, dizendo que o primeiro-ministro não havia descartado ainda nenhuma possibilidade de ataque relacionada ao Estado Islâmico. O porta-voz insistiu que Hammond se referia a uma decisão do Parlamento do ano passado que se opunha a ataques aéreos contra o regime do presidente Bashar Assad.

Nesta quarta-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, autorizou a realização da ofensivas aéreas na Síria pela primeira vez, além da expansão dos ataques no Iraque. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.