Cameron diz que revisará suas políticas para consertar sociedade britânica

Primiê britânico anunciou que auxílios poderão ser retirados de alguns 'arruaceiros'

Efe

15 de agosto de 2011 | 09h44

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anunciou nesta segunda-feira, 15, que seu governo vai fazer uma revisão geral de suas políticas para consertar a sociedade, que se mostrou "quebrada" com os distúrbios da semana passada.

 

Veja também:

blog RADAR GLOBAL: Conte-nos sua história

mais imagens GALERIA: Veja imagens da violência

 

Em discurso no distrito de Oxford, Cameron explicou que nas próximas semanas fará uma revisão na educação e no sistema de auxílios, que poderiam ser retirados para alguns dos arruaceiros e suas famílias.

 

O premiê britânico ressaltou que os distúrbios, que deixaram mais de 2 mil detidos, não tiveram um componente racial nem aconteceram por causa dos cortes orçamentários ou pela situação de pobreza de parte da sociedade, mas foram só uma questão de mau comportamento por parte de seus autores.

 

Cameron se comprometeu a, até 2015, mudar a situação de 120 mil famílias do país e assegurou que o sistema de prestações sociais será revisado.

Para começar, serão endurecidas as condições para a cobrança das prestações por desemprego, ressaltou.

 

No discurso que ofereceu em Witney, a circunscrição pela qual foi eleito deputado, Cameron anunciou que a ministra do Interior, Theresa May, detalhará na terça-feira a mudança "completa" que seu governo fará no funcionamento da polícia.

 

Uma mudança que, segundo ele, não depende do dinheiro investido nas forças de segurança - o que confirma que os cortes serão mantidos -, mas passará por reduzir a "burocracia" que "sufocou" a polícia durante anos, e com a mobilização de mais agentes nas ruas, para que as pessoas os vejam e os criminais os temam.

 

Também se comprometeu a dar mais poderes à polícia, entre eles o de confiscar as propriedades dos criminosos.

 

Diante do "colapso moral" que, segundo ele, o Reino Unido vive, Cameron prometeu um "contra-ataque social" no qual também incluiu medidas específicas para acabar com as "quadrilhas".

 

O primeiro-ministro lembrou as declarações de um jovem detido em Manchester que assegurou que continuaria agindo até que o capturassem novamente.

 

Cameron também dedicou boa parte de seu discurso a lembrar a responsabilidade dos pais e ressaltou que o sistema educacional tem que reforçar a mensagem da importância da disciplina.

 

Ele também reconheceu que o Estado não pode legislar para mudar os comportamentos e pediu a colaboração dos cidadãos nesta tarefa que, segundo ele, é "de todos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.