Cameron diz que separação da Escócia seria irreversível

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha garantiu que os escoceses devem receber mais poder em tributação e bem-estar caso permaneçam em território britânico

AE, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 08h25

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, fez um novo pedido na quarta-feira para que escoceses rejeitem a independência. Os comentários foram feitos durante uma visita à capital do país.

"Eu ficaria com coração partido se esta família de nações que criamos juntos fosse dilacerada", disse Cameron aos funcionários da Scottish Widows Investment Partnership, na sede em Edimburgo. Ele também destacou que uma separação seria irreversível.

Cameron cancelou sua agenda parlamentar em Londres para falar com os votantes escoceses como parte de um esforço de última hora para conseguir apoio para a união do Reino Unido, antes de um referendo de independência em 18 de setembro.

Ele disse que votar contra a independência não é votar contra a mudança e garantiu aos eleitores que a Escócia deve receber mais poder em tributação e bem-estar caso permaneça como território britânico. "Seria realmente o melhor de ambos os mundos", disse ele. O premiê também falou que a união monetária entre o Reino Unido e a Escócia independente não funcionaria. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.