Cameron faz 1ª visita aos EUA como primeiro-ministro

A primeira visita de David Cameron a Washington como premiê britânico começa hoje ofuscada pela raiva nos Estados Unidos provocada pelo vazamento de petróleo no Golfo do México e pelo suposto envolvimento da gigante British Petroleum (BP) na decisão de libertar da prisão, no ano passado, Abdel Baset al-Megrahi, condenado por ter participado da explosão de um avião da Pan Am sobre da cidade de Lockerbie, na Escócia, em dezembro de 1988. No caminho para a capital norte-americana, o primeiro-ministro disse que pretende conversar sobre o Afeganistão, as perspectivas de paz no Oriente Médio e a economia global.

AE-AP, Agência Estado

20 de julho de 2010 | 11h49

Cameron esperava usar sua primeira visita oficial à Casa Branca para marcar sua posição como homem de Estado e aprofundar seu relacionamento com o presidente Barack Obama. Em vez disso, ele está sendo forçado a se concentrar na decisão do governo britânico, tomada em agosto do ano passado, de libertar al-Megrahi e enviar o prisioneiro - que sofre de câncer - para a Líbia, seu país de origem. "Como líder da oposição eu não pude deixar mais claro que considerei que a decisão de libertar al-Megrahi foi completa e totalmente errada", disse Cameron à BBC.

O primeiro-ministro afirmou à Rádio Pública Nacional, em entrevista concedida hoje, que acredita que al-Megrahi "deveria morrer na prisão", mas afirmou que a BP não influenciou na decisão do governo escocês de libertar o prisioneiro por motivos humanitários. "Foi o governo escocês que tomou a decisão. Eles adotaram a medida após um processo e decidiram o que consideraram correto por razões humanitárias. Eu acho que foi uma decisão incorreta", afirmou.

Na reunião de hoje, Cameron e Obama vão discutir uma série de questões urgentes. Dentre as principais está o Afeganistão. A Grã-Bretanha tem sido um importante parceiro militar no país asiático, mas terá de fazer inevitáveis cortes orçamentários, além de enfrentar a impopularidade da guerra entre os britânicos. O primeiro-ministro disse que quer retirar os 10 mil soldados britânicos do Afeganistão até a próxima eleição, que deve acontecer até 2015.

Congresso

Ambos também devem discutir as perspectivas para o processo de paz no Oriente Médio e a economia global. Mas embora os dois lados tentem deixar de lado a questão da BP, eles reconhecem que o assunto deve surgir. Cameron também deve ser questionado sobre o assunto em encontros com líderes do Congresso.

Na tarde de hoje, Cameron vai se reunir com legisladores norte-americanos que pediram a realização de uma investigação sobre o lobby da BP junto ao governo britânico sobre a libertação de al-Megrahi. Segundo o escritório do premiê, uma investigação do governo britânico a respeito do assunto "não é levada em consideração atualmente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.