Cameron pede cautela em denúncias de abuso sexual

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, afirmou nesta quinta-feira que as especulações sobre o envolvimento de figuras políticas da era Margaret Thatcher com casos de abuso sexual podem se tornar uma "caça às bruxas". Durante entrevista concedida ao programa "This Morning", Cameron recebeu do apresentador Phillip Schofield uma lista nomes de políticos mencionados nas redes sociais como conectados ao escândalo no País de Gales, em que centenas de jovens teriam sofrido abuso.

AE, Agência Estado

08 de novembro de 2012 | 17h29

"Se não formos cuidadosos, há o perigo de isso se tornar um tipo de caça às bruxas, particularmente em relação a homossexuais, e eu estou preocupado com o que você está fazendo agora, pegando uma lista de nomes da internet", disse o primeiro-ministro.

Cameron autorizou a abertura de dois inquéritos sobre o abuso de crianças em orfanatos e outras instituições de caridade no País de Gales durante os anos 1970 e 1980. Uma vítima alegou que investigações anteriores falharam em examinar as acusações contra uma figura importante dentro do Partido Conservador - o mesmo de Cameron - da época. O nome do político não foi divulgado e até hoje nenhum membro do partido - liderado por Thatcher de 1975 a 1990 - sofreu acusações de conexão com o escândalo.

"Acho muito importante que qualquer um que tenha informações sobre pedófilos, não importa que posição ocupem ou se estão vivos ou mortos, vá à polícia", afirmou o ministro.

As denúncias surgem logo após a divulgação de que o apresentador infantil da BBC Jimmy Savile, morto em 2011, foi acusado de usar sua fama - e o trabalho de caridade que o levou a escolas e orfanatos - para abusar de centenas de jovens em décadas passadas. A BBC é uma emissora estatal da televisão britânica.

A polícia e instituições de caridade dizem que o caso tem sido um divisor de águas, estimulando adultos a revelarem outros episódios de abuso sofridos na infância.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.