Cameron pede medidas 'necessárias, corretas e legais' para deter Kadafi

Para premiê britânico, ação internacional 'evitou um massacre' de civis na Líbia

estadão.com.br

21 de março de 2011 | 13h10

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, defendeu a tomada de medidas "necessárias, corretas e legais" para deter o ditador da Líbia, Muamar Kadafi, de continuar os ataques contra os rebeldes que tentam derrubá-lo.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

Falando ao Parlamento britânico, Cameron afirmou que as forças da coalizão internacional que atua no país africano sob tutela da Organização das Nações Unidas (ONU) neutralizaram as defesas aéreas do ditador, que está há 41 anos no poder, e "ajudaram a evitar um massacre em Begnhazi", o principal reduto dos rebeldes. Países como o Reino Unido, os EUA e a França tem atacado as tropas do coronel líbio com bombardeios desde sábado.

 

O premiê britânico ainca acusou Kadafi de mentir para a comunidade internacional sobre o cessar-fogo decretado momentos após o Conselho de Segurança da ONU autorizar a intervenção na Líbia. Segundo Cameron, o líbio está violando as demandas da resolução, que pede o fim dos ataques e a retirada das forças do governo de várias cidades. "Kadafi respondeu à decisão da ONU declarando o cessar-fogo, mas ele quebrou sua promessa imediatamente", disse.

 

Uma coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Itália, Canadá, Qatar, Noruega, Bélgica, Dinamarca e Espanha deu início no sábado, 19, a uma intervenção militar na Líbia, sob mandado da resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A medida prevê a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e a tomada de 'quaisquer medidas necessárias' para impedir o massacre de civis pelas tropas de Kadafi.

 

Com Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.