EFE/EPA/HAYOUNG JEON
EFE/EPA/HAYOUNG JEON

Cameron pede que Reino Unido respeite sonhos dos jovens e permaneça na UE

Em debate agressivo, Boris Johnson descartou que Bruxelas punirá os londrinos com tarifas alfandegárias se saírem do bloco europeu; Sadiq Khan disse que ‘meio milhão de de empregos em Londres dependem diretamente da União Europeia’

O Estado de S. Paulo

22 Junho 2016 | 09h07

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, David Cameron, se dirigiu solenemente na terça-feira ao país e pediu às gerações mais velhas que votem a favor da União Europeia (UE) pensando nas "esperanças e sonhos" dos jovens, em um dia marcado por um acalorado debate celebrado em Londres ante seis mil pessoas.

"Pensem nas esperanças e sonhos de seus filhos e netos. Saibam que suas possibilidades de trabalhar, de viajar, de construir o tipo de sociedade aberta e próspera que desejam depende do resultado do referendo", afirmou Cameron em um discurso à nação diante da residência oficial de Downing Street, a dois dias do referendo sobre a UE e horas antes do grande debate da campanha. Os jovens "não poderão reverter a decisão que vocês tomarem", completou.

Cerca de seis mil pessoas assistiram no pavilhão Wembley Arena de Londres, ao grande enfrentamento dialético da campanha, organizado e transmitido pela BBC. O ex-prefeito de Londres Boris Johnson e seu sucessor no cargo, o trabalhista Sadiq Khan, lideraram duas equipes que defenderam, respectivamente, a saída e a permanência do Reino Unido do bloco europeu.

Johnson descartou que Bruxelas vá punir Londres com tarifas alfandegárias se sair da UE. Ele disse que estariam "loucos" e que não podem arriscar. "Todo mundo sabe que este país recebe a quinta parte da produção de carros alemã, uns 820 mil veículos por ano", afirmou.

"Não são mais que mentiras e mais mentiras", retrucou Khan. "Boris, você deveria saber: cerca de meio milhão de empregos em Londres dependem diretamente da UE", destacou.

O debate transcorreu em um tom agressivo, que chegou ao ápice quando Khan lançou diante de seu antecessor alguns folhetos da campanha favorável à saída do bloco com advertências de que a Turquia, um país de maioria muçulmana, poderia entrar na UE.

"Você está dizendo mentiras e assustando as pessoas", condenou. "Isso é alarmismo (...) Está usando um artifício sobre a Turquia para assustar e para que as pessoas votem para sair", disse o prefeito, aclamado pelos presentes.

Pesquisas. A dois dias do referendo, a média das pesquisas elaborada pela revista The Economist mostra que as pessoas mais velhas desejam a saída, 57% a 36%, em uma proporção muito maior do que a população em geral, em que 44% são partidários da permanência e 43% da saída.

Também de acordo com a revista, 60% dos jovens desejam a permanência na UE e apenas 20% apoiam que se deixe o bloco.

Em mensagem exibida pela TV de Gibraltar, Cameron lembrou aos britânicos que têm uma "responsabilidade mais ampla" quando votarem, em alusão ao estreito.

Na segunda-feira, uma pesquisa publicada pelo jornal Daily Telegraph mostrou 49% das intenções de voto para a permanência e 47% para a saída do bloco. Uma sondagem do instituto YouGov para o Times mostra apoio de 44% ao Brexit e 42% para os partidários da continuidade na UE. Nas casas de apostas, no entanto, a permanência vence por 78% a 22%.

Mercado. O magnata George Soros, que fez fortuna ao apostar contra a libra em 1992, previu uma "sexta-feira negra" nos mercados mundiais se o Brexit triunfar, bem como o empobrecimento dos britânicos.

"O valor da libra cairá de forma vertiginosa, pelo menos 15%", afirmou o magnata americano em um artigo publicado no jornal The Guardian. "A ironia, neste caso, é que uma libra valeria aproximadamente um euro, uma forma de 'unir-se ao euro' que ninguém desejaria no Reino Unido", completou Soros.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, foi mais contundente ao afirmar que os britânicos se infligiriam uma "automutilação" se na quinta-feira votassem a favor da saída da UE. /AFP

Veja abaixo: Entenda o que é o Brexit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.