Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Cameron: soberania das Malvinas não será negociada

Segundo o primeiro-ministro, a Grã-Bretanha aceita 'trabahar junto' à Argentina

AE, Agência Estado

14 de junho de 2012 | 16h59

LONDRES - O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse nesta quinta-feira, 14, que não haverá nenhuma negociação com a Argentina sobre a soberania das Ilhas Falkland (Malvinas). Segundo ele, a Grã-Bretanha aceita "trabalhar junto" à Argentina em questões como a pesca nos arredores do arquipélago do Atlântico Sul e no aumento do comércio entre os dois países, mas a soberania das ilhas não será negociada. Cameron deu as declarações no mesmo dia em que a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, faz um discurso na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), pedindo que o Reino Unido restitua as ilhas à Argentina, que acusa os britânicos de terem invadido o arquipélago em 1833.

Veja também:

link Cristina pedirá na ONU negociação sobre Malvinas

link Fim da guerra das ilhas Malvinas completa 30 anos nesta quinta-feira

link Soberania sobre as Malvinas vai a referendo

"As tentativas de intimidar os habitantes das Falkland não terão sucesso. Porque a Grã-Bretanha está ao lado dos kelpers (habitantes das ilhas) e estará sempre pronta a ficar ao lado deles em todos os momentos", disse Cameron. As declarações do premiê britânico foram feitas no momento em que são marcados os 30 anos do fim da Guerra das Malvinas, quando militares britânicos derrotaram os soldados argentinos que ocuparam as ilhas durante 74 dias em 1982. Mais de 900 militares argentinos e britânicos foram mortos na guerra.

Cameron também ressaltou o apoio do governo britânico à iniciativa dos kelpers, que no primeiro semestre de 2013 farão um referendo para ratificar a autodeterminação de que o arquipélago permaneça com a Grã-Bretanha. Na manhã de hoje, centenas de kelpers fizeram uma homenagem aos soldados britânicos mortos em 1982 para retomar o arquipélago e inauguraram uma estátua em Port Stanley.

As informações são da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.