Caminhão-bomba mata 18 italianos em base militar no Iraque

Um caminhão-bomba explodiu hoje numa base militar usada pelos italianos em Nassíria, no sul do Iraque, causando a morte de pelo menos 18 italianos - na maior baixa militar da Itália desde a 2ª Guerra - e 8 iraquianos. De acordo com fontes hospitalares, mais de 80 pessoas ficaram feridas no atentado. O ministro da Defesa da Itália, Antonio Marino, esclareceu em Roma que entre os mortos italianos há dois civis - um que trabalhava para os militares e um cinegrafista que produzia um documentário. Outros 12 mortos pertenciam ao corpo de Carabineiros (polícia militar) e 4 eram soldados do Exército italiano. A rede de TV Al-Jazira, do Catar, citando relatos de sobreviventes, informou que um caminhão-tanque, repleto de explosivos, foi lançado pelo comando suicida contra a entrada da base. A explosão destruiu totalmente um dos edifícios, de três andares, do complexo da base e causou grandes incêndios em vários veículos e no depósito de munições da instalação militar. Da base, localizada às margens do Rio Eufrates, ergueu-se uma grande coluna de fumaça negra que podia ser vista a vários quilômetros de distância. Residências próximas da base militar ficaram gravemente danificadas e vidros foram quebrados num raio de várias centenas de metros da explosão. Marino disse que combatentes leais ao deposto ditador Saddam Hussein estão por trás do ataque. "As evidências da cena do ataque e os relatório de inteligência nos levam a crer que o atentado de hoje foi planejado e executado por remanescentes leais a Saddam... aliados a extremistas árabes (estrangeiros)", afirmou o ministro. Testemunhas relataram que os atacantes jogaram primeiro um carro contra uma barreira nas proximidades prédio e fugiram, distraindo os guardas. Um segundo veículo chegou então ao local e seus ocupantes passaram a atirar contra os guardas, enquanto um motorista-suicida jogava o caminhão contra o portão e detonava os explosivos. Foi o primeiro ataque na relativamente tranqüila cidade xiita desde o início da ocupação em maio, sinalizando que nenhuma organização internacional está segura em nenhum lugar do Iraque. A frente do prédio de três andares desmoronou com a explosão, que criou uma cratera de 2 metros de profundidade no solo. O caminhão carregava estimados 300 kg de explosivos. Ao cair da noite, equipes de resgate suspenderam as buscas entre os escombros, apesar de se acreditar que vários italianos ainda estavam enterrados no local. A Itália enviou cerca de 2.300 soldados para a reconstrução do Iraque. Cerca de 340 carabineiros estavam baseados em Nasiriyah, junto com 110 romenos. Não houve notícias de vítimas entre os romenos. Desde agosto, insurgentes atacaram vários prédios com carros e caminhões-bomba. O ataque mais devastador havia ocorrido em 19 de agosto contra a sede da ONU em Bagdá, que deixou 23 mortos, entre eles o enviado da ONU no Iraque, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.