Asif Hassan/AFP
Asif Hassan/AFP

Caminhões da Otan atravessam a fronteira do Paquistão

Governo paquistanês decidiu nessa semana reabrir a rota de suprimentos da organização

AE, Agência Estado

05 de julho de 2012 | 11h11

Texto atualizado às 14h36

CHAMAN, PAQUISTÃO - Pela primeira vez em sete meses, caminhões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), transportando suprimentos para tropas americanas, cruzaram a fronteira do Paquistão com o Afeganistão.

O governo paquistanês decidiu nessa semana reabrir a rota de suprimentos da Otan na fronteira, após ter proibido a passagem em retaliação a um ataque aéreo dos Estados Unidos, que matou 24 soldados paquistaneses.

Veja também:

linkEUA e Paquistão selam acordo para reabrir rotas terrestres

linkAtaque de militantes deixa 10 mortos no leste afegão

linkHomem mata a tiros 3 soldados da Otan no Afeganistão

A medida é um raro ponto positivo nas relações diplomáticas entre o Paquistão e os EUA. Discordâncias sobre temas, como o uso aviões não-tripulados e o suposto apoio de Islamabad a militantes do Taleban, têm prejudicado um relacionamento vital para a estabilização do Afeganistão.

Durante o período em que as linhas de suprimento estiveram obstruídas, os EUA foram obrigados a utilizar rotas mais longas e caras, pela da Rússia e Ásia Central. Após meses de negociação, o Paquistão reabriu sua fronteira depois que a Secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu desculpas formalmente pelas mortes dos soldados paquistaneses.

Um oficial com posto na fronteira, Fazal Bari, disse que o primeiro caminhão atravessou por volta do meio-dia do horário local. Com a passagem permitida, os EUA devem economizar centenas de milhões de dólares, enquanto o Paquistão também deve ganhar financeiramente, pois vai voltar a receber a ajuda militar americana que estava congelada.

As informações são da Associated Press.

 

Mais conteúdo sobre:
EUAPAQUISTÃOOTAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.