Caminhoneiros argentinos querem proibir estrangeiros

O poderoso sindicato dos caminhoneiros da Argentina anunciou que pretende impedir a entrada de caminhões estrangeiros no país. O sindicato considera que os caminhoneiros estrangeiros estão "monopolizando" o comércio internacional que passa pelas estradas argentinas.O sindicato é liderado por Hugo Moyano, que também é o secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT) dissidente. Nos últimos cinco anos, Moyano realizou diversas greves, além de protestos, que bloquearam as principais estradas do país. Junto com o sindicato dos professores públicos, é o sindicato que mais deu dores de cabeça aos dois últimos governos.Moyano pretende que o transporte do carregamento seja "nacionalizado". O sindicato sustenta que 95% da carga internacional que transita pela Argentina é transportada em caminhões estrangeiros, principalmente provenientes do Chile e do Brasil. Segundo o sindicato, "por causa deles, o setor de transportes na Argentina está em profunda crise".Os principais pontos dos protestos, que começarão na partir da próxima quinta-feira, serão as alfândegas de Paso de los Libres, na fronteira com Uruguaiana (RS) e em Puerto Iguazu, na divisa com Foz de Iguaçu (PR). Na fronteira com o Chile, os protestos ocorrerão na alfândega de Uspallata. Os bloqueios destas passagens fronteiriças serão por tempo indeterminado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.