Campanha antipalestinos toma ruas de Nova York

Cartazes espalhados pelas ruas da cidade mostram Obama de mãos dadas com Abbas

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2011 | 00h00

NOVA YORK - Cartazes com a foto de Barack Obama dando a mão para o presidente palestino, Mahmoud Abbas, foram espalhadas por Nova York numa campanha antipalestinos. Trazem frases como "atacando Israel na ONU" e dizem que Obama "não é pró-Israel". Há um terceiro cartaz afirmando que Obama "pede a divisão de Jerusalém" e, por isso, não seria "a favor de Israel".

 

Veja também:

lista Entenda o que os palesinos buscam na ONU

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

A ação é do Emergency Committee for Israel. No site notproisrael.com, criado para atacar uma suposta tendência de Obama contra os israelenses, a organização afirma que o "objetivo é fornecer os fatos para garantir um apoio forte das autoridades públicas a uma forte relação entre os EUA e Israel".

Apesar da campanha, a organização não representa a maioria da comunidade judaica dos EUA. Cerca de 80% dos judeus votaram em Obama nas eleições de 2008 e hoje 60% apoiam o presidente. Os números superam a média da população americana.

Israel também afetou a eleição para um deputado em Nova York esta semana. O ex-prefeito Ed Koch declarou apoio a um dos candidatos dizendo que o adversário era partidário de Obama e "não se pode lançar Israel para ser atropelado sem impunidade". Apesar de fatores locais terem pesado na votação, o republicano Bob Turner, vencedor da eleição, atribuía sua vitória a "uma defesa de Israel".

Para entender

O representante do Brasil sempre é o primeiro a discursar na Assembleia-Geral da ONU, seguido pelo dos EUA. Entre os demais países, a prioridade é de chefes de Estado e de governo, ministros das Relações Exteriores, outros ministros e, finalmente, embaixadores. Dentro dessas categorias, a ordem de inscrição estabelece quem fala primeiro. Os palestinos, apesar de serem apenas observadores, têm o direito de discursar. Pelos israelenses, falará o premiê, Binyamin Netanyahu. A ordem de inscrição desses dois discursos não foi divulgada. Ambos devem falar dia 23.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.