Campanha de Bush busca mobilizar igrejas conservadoras

A campanha pela reeleição do presidente dos EUA, George W. Bush, defende o memorando em que busca mobilizar membros de igrejas conservadoras para o esforço político em busca do segundo mandato, com atividades como oferecer listas de fiéis para o escritório de campanha e pedir aos pastores que estimulem o registro eleitoral.Algumas organizações religiosas criticaram o documento, declarando-o impróprio e com o potencial de levar as igrejas a perderem o direito à isenção de impostos, ao se envolverem em política partidária. Já o porta-voz da campanha, Scott Stanzel, disse que o documento, distribuído à equipe de campanha, é perfeitamente legal.?As pessoas de fé têm o direito de participar do processo político, e estamos pedindo que todos os que apóiam o presidente Bush se envolvam nesta campanha?, disse Stanzel.O reverendo Barry Lynn, diretor-executivo da organização Americanos Unidos pela Separação entre Igreja e Estado, disse que o esforço é ?uma tentativa desavergonhada de abusar das igrejas para fins partidários?. O rabino David Saperstein, diretor do Centro de Ação Religiosa do Judaísmo Reformado, disse que ?esforços com o fim de transformar casas de oração em escritórios políticos cheiram mal até o mais alto céu?.

Agencia Estado,

02 de julho de 2004 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.