PASCAL PAVANI/AFP Photo
PASCAL PAVANI/AFP Photo

Campanha de Macron diz que foi vítima de ataques hackers

Documentos de campanha e e-mails teriam sido divulgados de forma anônima na internet

Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 20h45

SÃO PAULO - O En Marche!, partido político do candidato à presidência da França Emmanuel Macron, disse que seus sistemas de computador foram hackeados após milhares de e-mails e documentos eletrônicos, supostamente relacionados à campanha, terem sido postados anonimamente na internet na noite desta sexta-feira, 5.

Os arquivos foram obtidos há varias semanas nas contas pessoais e de e-mail de funcionários do partido, de acordo com uma declaração do En Marche!. Segundo o partido, a campanha de Macron está sendo vítima de uma “atividade hacker maciça e coordenada” dois dias antes do segundo turno da eleição presidencial francesa, em que o candidato concorre com Marine Le Pen, candidata da extrema direita.

Segundo a campanha de Macron, alguns dos documentos vazados são autênticos, mas outros são falsos e têm "o objetivo de semear a dúvida e a desinformação". Além disso, a operação seria uma tentativa de “desestabilização democrática” semelhantes ao que ocorreu durante a campanha presidencial nos Estados Unidos.

Mais cedo, o partido de Marine Le Pen disse em um comunicado que o site de campanha da candidata tinha enfrentado ataques regulares. A equipe informou que as autoridades francesas investigaram o caso e, nesta semana, prenderam “um primeiro hacker”, que confessou ser responsável por vários ataques à campanha de Le Pen. Segundo a nota, ele teria “relações próximas com a extrema esquerda.”

De acordo com pesquisa Ifop-Fiducial, divulgada nesta sexta, o centrista aparece com 63% das intenções de voto, enquanto Marine Le Pen tem 37%. O levantamento foi realizado com 1861 pessoas entre 2 e 5 de maio e, portanto, tomou opiniões formadas antes e depois do debate presidencial da última quarta-feira.

Com informações da Dow Jones Newswires e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.