Reprodução
Reprodução

Campanha de Trump contesta apuração em quatro Estados

Republicanos pedem a suspensão da contagem de votos em três Estados e devem pedir a recontagem de votos em Wisconsin, onde foram derrotados pelos democratas

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 11h14

A campanha do presidente americano Donald Trump contestou a contagem dos votos em quatro Estados antes do resultado final ser divulgado. Os republicanos tem reclamado de falta de transparência no processo de contagem das cédulas e denunciam uma tentativa de fraude eleitoral por parte dos democratas, por meio de "votos ilegais" pelo correio. Até o momento, nenhum comprovação de fraude foi apresentada.

A equipe do presidente entrou com uma ação judicial para suspender a contagem de votos na Geórgia, onde Trump lidera a corrida eleitoral por uma margem de 0,4% dos votos, com 96% das urnas apuradas. Antes, a equipe de Trump também já havia entrado com ações questionando as apurações em Michigan, onde foi derrotado por Biden, e Pensilvânia, onde lidera a disputa com 89% das urnas apuradas.

Aliados de Trump têm insistido que os democratas estão tentando roubar as eleições. No site da campanha à reeleição do presidente, anúncios para arrecadação de fundos para bancar os processos judiciais utilizam explicitamente a narrativa da fraude nas eleições. "OS DEMOCRATAS VÃO TENTAR ROUBAR ESTA ELEIÇÃO! O presidente precisa da SUA AJUDA!", diz um dos anúncios.

"A campanha do presidente Trump não teve acesso significativo a vários locais de contagem para observar a abertura das cédulas e o processo de contagem, conforme garantido pela lei de Michigan", disse o gerente de campanha de Trump, Bill Stepien, em um comunicado. 

"Nós entramos com uma ação hoje no Tribunal de Reivindicações de Michigan para interromper a contagem até que um acesso significativo seja concedido. Também exigimos a revisão das cédulas que foram abertas e contadas enquanto não tínhamos acesso significativo."

Outra crítica recorrente é quanto aos votos por correspondência. Neste ponto, são dois os principais questionamentos republicanos: 1 - a conferência da procedência e validade dos votos; e 2 - a consideração apenas dos votos postados até a data limite estabelecida em cada Estado.

Em declaração pública, o advogado de Trump e ex-prefeito de Nova York, Rudi Giuliani, afirmou defender a contagem de todos os votos legítimos, mas questionou a contagem de votos de procedência duvidosa, em sua opinião, que estariam beneficiando os democratas: "Podem ter vindo de Marte, até onde sabemos".

A campanha do presidente informou que entrará com um pedido de recontagem de votos em Wisconsin, onde Trump foi derrotado por Joe Biden por uma curtíssima vantagem (49,4% a 48,8%)./ Com informações da Fox News

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.