Rebecca Cook/Reuters
Rebecca Cook/Reuters

Campanha de Trump entra com ação em Michigan para impedir certificação da vitória de Biden

As alegações são semelhantes às levantadas pela equipe de campanha de Trump e alguns republicanos em ações judiciais em outros Estados

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2020 | 17h40

WASHINGTON - A equipe de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entrou com uma ação legal nesta

quarta-feira, 11, em Michigan para impedir o Estado americano de certificar os resultados da eleição da semana passada, em que o presidente aparece atrás do adversário democrata Joe Biden.

De acordo com uma ação apresentada a um tribunal federal no oeste de Michigan, muitas pessoas fizeram depoimentos  descrevendo supostas irregularidades na votação, com foco no reduto democrata do Condado de Wayne, que inclui a cidade de Detroit.

As alegações são semelhantes às levantadas pela equipe de campanha de Trump e alguns republicanos em ações judiciais em outros Estados. Especialistas jurídicos disseram que é improvável que o litígio resulte em um segundo mandato para Trump.

A equipe de Trump alegou que as irregularidades em Michigan incluíram assédio a observadores eleitorais republicanos e a exigência de que eles cumpram as regras de distanciamento de quase dois metros, ao contrário dos observadores democratas, e que “cédulas ilegais e inelegíveis foram contadas”.

A ação diz que os resultados da eleição não deveriam ser certificados sem a confirmação de que todas as cédulas foram contadas corretamente, e acrescenta que uma eleição especial pode ser necessária em distritos com problemas.

Jake Rollow, porta-voz do Departamento de Estado de Michigan, disse em um comunicado que a campanha de Trump estava promovendo falsas alegações para minar a confiança do público nas eleições de Michigan.

“Isso não muda a verdade: as eleições de Michigan foram conduzidas de maneira justa, segura e transparente e os resultados são um reflexo preciso da vontade do povo”, disse Rollow.

Trump se recusa a reconhecer a derrota para Biden e tem afirmado, sem apresentar evidências, que uma fraude generalizada lhe custou a vitória.

O presidente estava atrás de Biden em Michigan por mais de 148 mil votos, ou 2,6 pontos porcentuais, de acordo com o total de votos não oficiais mais recente. /REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.