Campanha eleitoral na Suíça é marcada pelo racismo

Os suíços vão às urnas neste domingo para eleições gerais diante de uma das mais polêmicas campanhas dos últimos anos, envolvendo até mesmo acusações por parte da ONU em relação às propostas racistas de alguns políticos. O motivo foi a decisão do Partido do Povo da Suíça de publicar anúncios nos principais jornais, dizendo aos eleitores que a imigração estava gerando o aumento da criminalidade.A atitude do partido ultraconservador, que lidera as pesquisas com cerca de 25% das intenções de voto, gerou revolta até mesmo da ONU, que não costuma se envolver em política nacional. O porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Refugiados afirmou que os anúncios incentivam a xenofobia e o preconceito.O partido, que tem como um de seus lemas de campanha "Salve a Suíça, Salve os suíços", considerou os comentários da ONU uma interferência na soberania do país e pediu que o governo envie uma carta de protesto à organização.Os anúncios, além de fazerem uma relação entre crimes e imigrantes, afirmam que os demais partidos têm sido brandos demais com os pedidos de asilo por parte de estrangeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.