Campanha republicana já tinha problemas

Estrategistas vinham tentando, sem sucesso, trazer a discussão para a economia e outros projetos de governo

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2012 | 03h01

Antes da divulgação do vídeo em que Mitt Romney ironiza os eleitores de Barack Obama, a campanha do republicano já vinha enfrentando problemas. Na segunda-feira, os conservadores tentaram dar um novo rumo à candidatura ao preparar planos para a economia e para assuntos específicos. No entanto, de novo, não obtiveram sucesso. As controvertidas declarações de Romney dominaram o noticiário.

Uma das principais críticas feitas pelos doadores da campanha do republicano tem sido a incapacidade de seus estrategistas em vender Romney como um bem-sucedido homem de negócios, um ex-governador bem avaliado no Estado de Massachusetts e com uma história familiar perfeita para ser contada.

Na sexta-feira, doadores se emocionaram ao assistir um vídeo da vida dele, de acordo com relatos na imprensa americana. A ideia era exibir o filme antes do discurso de Romney na convenção republicana. No fim, em uma estratégia considerada equivocada, sua campanha optou por colocar no lugar do vídeo o ator Clint Eastwood, que roubou a cena ao "conversar" com uma cadeira fingindo que falava com o presidente Barack Obama.

O principal culpado, na avaliação de muitos republicanos, é seu chefe de campanha, Stuart Stevens. Romney confia muito nele e segue suas orientações, deixando de lado conselhos de amigos e de sua família. Sua mulher, Ann, é uma das que lamentam a ausência do lado mais humano do marido e a decisão de não se falar tanto de sua história como mórmon.

Para o analista político Nicholas Carnes, da Universidade Duke, apesar dos erros, a imagem de Romney já está consolidada e os eleitores já definiram se gostam dele ou não. "Desde o primeiro dia, Romney tem falado que é um homem de negócios e quer menos participação do governo na economia. Cabe às pessoas decidirem se concordam ou não", afirmou. / G.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.