Camponeses cristãos matam três pastores muçulmanos no centro da Nigéria

Pastores aparentemente foram assassinados a golpe de machados; seus corpos foram queimados

Reuters,

22 Maio 2010 | 20h04

JOS, NIGÉRIA- Jovens nigerianos assassinaram três pastores muçulmanos neste sábado, 22, e queimaram seus corpos, dias depois de um toque de recolher ter sido imposto em uma região onde centenas morreram em confrontos religiosos neste ano.

 

Segundo oficiais, os três pastores do grupo étnico Fulani estavam procurando por reses perdidas quando foram atacados por camponeses cristãos Berom em Tusung, a cerca de 40 km ao sul da cidade de Jos, capital do estado de Plateau.

 

Uma fonte da Reuters afirmou que viu os três corpos, com marcas do que pareciam ser machadadas e queimados, no hospital da Força Aérea nigeriana em Jos, onde eles foram trazidos de Tusung por soldados.

 

"Os três homens Fulani contataram alguns soldados para escoltá-los em sua busca por suas vacas perdidas", disse um alto oficial.

 

"Mas do nada, jovens Berom armados até os dentes apareceram e começaram a desencadear o caos", afirmou, acrescentando que três soldados que tinham ordens de não atirar até o fim do toque de recolher também foram feridos.

 

O governo do estado de Platuau impôs o nono toque de recolher na quarta. Autoridades federais enviaram tropas para Jos depois de centenas de pessoas terem morrido em confrontos religiosos e étnicos no centro da Nigéria, onde os muçulmanos do norte convivem com cristãos do sul.

 

O presidente Goodluck Jonathan, que assumiu o poder após a morte de Umaru Yar'Adua, afirmou que estabilizar o país e garantir a paz são prioridades. No entanto, analistas temem que rivais políticos locais tentem refletir as divisões de Plateau nas próximas eleições do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.