Camponeses prendem 300 pessoas em protesto na China

Milhares de camponeses estão mantendo cerca de 300 pessoas presas num edifício público do sul da China, em protesto contra a venda de suas terras a baixos preços, informou nesta quinta-feira a Radio Free Asia. O protesto começou na tarde de quarta-feira. Mais de 300 pessoas participavam de uma cerimônia para inaugurar um celeiro no povoado de Sanzhou, na província de Cantão. Cerca de 4 mil camponeses cercaram o local, impedindo a saída dos ocupantes. Segundo testemunhas citadas pela emissora, os "reféns" ainda estavam retidos esta manhã. "Queremos dinheiro por nossa terra", afirmou uma manifestante. O Escritório de Segurança Pública do município afirmou que ainda não tinha informação sobre o protesto. Desde 1992, aproximadamente metade das terras de cultivo de Sanzhou foi desapropriada ou vendida a investidores privados. Os habitantes têm protestado contra a ação cada vez mais freqüente no país. Esta semana o Governo anunciou o envio de mais policiais às zonas rurais. Os camponeses protestam contra expropriações injustas e corrupção. Mais de 30 mil estações de Polícia foram construídas nas regiões rurais e os agentes estão tomando "medidas preventivas" contra possíveis incidentes, explicou o vice-ministro de Segurança Pública, Liu Jinguo, segundo a agência estatal "Xinhua".

Agencia Estado,

09 Novembro 2006 | 06h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.