Campos da Al-Qaeda vêm sendo reativados no Afeganistão

Campos de treinamento da Al-Qaeda foram recentemente reativados no leste do Afeganistão e novos voluntários estão seguindo para esses locais, revela um informe elaborado por especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) que monitoram as sanções contra a entidade extremista. Apesar de a rede de financimento à organização liderada por Osama bin Laden ter sido em grande parte desmantelada, o grupo ainda "tem acesso a uma soma substancial, devido a investimentos previamente estabelecidos", diz o relatório do grupo liderado pelo especialista britânico Michael Chandler. Os novos campos detectados são "simples", diz o documento. No entanto, a reativação desses campos estaria aumentando a capacidade de longo prazo da rede Al-Qaeda, acreditam os especialistas. Chandler deve divulgar mais detalhes sobre o relatório na noite de hoje. O documento diz ainda que os atentados de 12 de outubro contra Bali confirmam a extensão do relacionamento entre a Al-Qaeda e os diversos grupos extremistas do sudeste da Ásia. Por sua vez, o ataque de 28 de novembro contra Mombasa demonstra uma mudança tática do grupo para agredir alvos de tipos variados, com a intenção de fazer cada vez mais vítimas, prossegue o informe. O atentado contra Bali, Indonésia, deixou 192 mortos. Em Mombasa, Quênia, 15 pessoas morreram. Pelas sanções da ONU, monitoradas pelo grupo de especialistas, todos os países devem congelar as finanças, embargar a venda de armas e impedir a viagem de indivíduos e grupos supostamente associados a Bin Laden, à Al-Qaeda ou ao Taleban - onde quer que eles estejam no mundo. De acordo com a ONU, a lista contém atualmente 311 nomes, sendo cerca de 220 indivíduos e 90 grupos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.