Canadá confirma quinto caso de "mal da vaca louca" desde 2003

As autoridades canadenses confirmaram neste domingo que uma vaca leiteira de 6 anos da Colúmbia Britânica foi diagnosticada com Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), o "mal da vaca louca". É o quinto animal com a doença desde 2003, quando foi descoberto o primeiro caso no país. Como nas ocasiões anteriores, a Agência de Inspeção Alimentaria Canadense afirmou que nenhuma parte do animal entrou no mercado e que o diagnóstico "não afeta a segurança da carne bovina canadense". Após o descobrimento do primeiro caso de "vaca louca", em maio de 2003, os principais importadores de carne canadense: Estados Unidos, Japão e Coréia do Sul fecharam suas fronteiras aos produtos do país. As perdas do setor chegaram a cerca de US$ 6 bilhões. Em julho de 2005, os EUA voltaram a permitir a importação de cabeças de gado com menos de 30 meses, idade em que os animais ainda não desenvolvem a EEB. Fontes do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos disseram à TV pública canadense CBC que as autoridades americanas ainda não pensam em mudar sua política. As autoridades canadenses iniciaram uma investigação para determinar como a vaca contraiu a doença. O Departamento de Agricultura americano vai colaborar. Em 1997, as autoridades veterinárias canadenses proibiram a alimentação do gado com derivados animais, que pode provocar a EEB. George Luterbach, veterinário da agência de inspeção, acredita que o animal pode ter comido um lote de ração produzido antes de 1997. A mesma explicação foi dada para casos anteriores.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 00h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.