Canadá diz que não há conexão entre mortes de soldados

A polícia canadense afirmou que não encontrou conexão entre os dois ataques a soldados nesta semana. O comissário da Real Polícia Montada do Canadá, Bob Paulson, afirmou que autoridades não estavam monitorando o atirador antes do ataque fatal em um soldado em um memorial de guerra em Ottawa na quarta-feira.

Estadão Conteúdo

23 de outubro de 2014 | 19h17

Em seguida, Michael Zehaf-Bibeau, de 32 anos, invadiu o edifício do Parlamento canadense, onde foi morto a tiros.

O tiroteio em Ottawa aconteceu dois dias após um suposto atentado terrorista em Quebec, onde um canadense recém-convertido ao Islã atropelou dois soldados e colocou o país em alerta. Um dos soldados morreu na terça-feira e o outro ficou ferido e ainda está no hospital.

Paulson afirmou nesta quinta-feira que Zehaf-Bibeau recentemente pediu um passaporte e as autoridades acreditam agora que tinha a intenção de ir para a Síria.

"A sua candidatura não foi rejeitada. Seu passaporte não foi revogado", declarou Paulson. "Ele estava esperando para obtê-lo e havia uma investigação em curso para determinar para ver se ele iria receber o documento". Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Canadáatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.