Canadá é acusado de ocultar participação do governador de Kandahar em tortura

Asadullah Khalid teria participado dos interrogatórios, nos quais "bateu e aplicou choques elétricos" nos prisioneiros

EFE, TORONTO

02 de fevereiro de 2008 | 04h11

TORONTO - O Governo canadense se negou nesta sexta-feira a responder às acusações de que escondeu seu conhecimento sobre a participação direta do governador da província de Kandahar na tortura de presos.

Em sua versão digital, o jornal "The Globe and Mail" publicou nesta sexta-feira documentos oficiais canadenses contendo as acusações contra Asadullah Khalid, governador da província de Kandahar, onde está a maioria dos 2.500 soldados que o Canadá tem no Afeganistão.

Segundo a publicação, Khalid - aliado do presidente afegão, Hamid Karzai - participou dos interrogatórios de detidos (junto com "estrangeiros"), nos quais "bateu e aplicou choques elétricos" nos prisioneiros.

O Governo do primeiro-ministro Stephen Harper, que defende a permanência das tropas canadenses no Afeganistão apesar da crescente oposição da opinião pública, manteve o relatório oficial em segredo durante meses e depois censurou as partes nas quais o governador era citado.

Peter McKay, ministro da Defesa e antigo titular de Assuntos Exteriores quando o relatório foi redigido, se negou no Parlamento canadense a responder às perguntas da oposição o caso. A oposição canadense perguntou ao ministro da Defesa se o Governo investigou as acusações de tortura contra Khalid.

Ottawa é obrigada a investigar acusações de tortura, em cumprimento de um acordo assinado com Cabul sobre transferência de detidos. O primeiro-ministro canadense e McKay se reuniram com Khalid durante suas visitas ao Afeganistão.

Nesta quinta-feira, a emissora de TV pública canadense "CBC" informou que as forças armadas canadenses têm em seu poder entre 18 e 20 prisioneiros afegãos na base militar de Kandahar.

Um funcionário da Comissão Independente de Direitos Humanos do Afeganistão entrevistado pela "CBC" disse que em novembro de 2007 as tropas canadenses deixaram de transferir prisioneiros às autoridades afegãs após uma série de denúncias sobre torturas.

Harper se negou a revelar se o Canadá está retendo prisioneiros afegãos e afirmou que o Governo canadense não tinha conhecimento de possíveis torturas contra detidos transferidos pelas tropas às autoridades de Cabul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.