Canadá quer julgar diplomata russo que causou acidente fatal

O governo canadense quer que um diplomata russo acusado de provocar um acidente fatal por dirigir embriagado seja processado em Ottawa, mas Moscou afirmou hoje que qualquer julgamento só poderá ser realizado sob as leis da Rússia.O acidente, ocorrido no sábado, provocou a morte de um pedestre de 50 anos e ferimentos em uma mulher. As duas vítimas estavam na calçada quando o diplomata, de 45 anos, perdeu o controle da direção, subiu no meio-fio e o bateu o carro contra eles.O diplomata, não identificado, foi acusado de praticar cinco delitos, incluindo assassinato não intencional, dirigir alcoolizado e recusar-se a se submeter ao teste do bafômetro. Segundo o secretário das Relações Exteriores do Canadá, John Manley, um diplomata russo foi detido no domingo em conexão com o acidente fatal. No mesmo dia, de acordo com Manley, um outro funcionário russo fora detido por dirigir embriagado.O secretário afirmou que o governo do Canadá solicitou a Moscou para que retire a imunidade diplomática dos dois suspeitos. Na Rússia, o vice-chanceler Georgy Mamedov reuniu-se com o embaixador canadense para expressar suas condolências, mas já adiantou que a Rússia não atenderá o pedido de Ottawa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.