Canadá restringe entrada de alimentos vindos do Japão

O Canadá anunciou na noite de ontem que intensificou as restrições impostas à importação de alimentos de áreas próximas do vazamento radioativo no Japão, disseram autoridades. O governo canadense restringirá a entrada de produtos lácteos, frutas e vegetais de quatro cidades japonesas, enquanto o pânico de contaminação radioativa se espalha ao redor do mundo. "Tais produtos não serão autorizados a entrar no Canadá sem uma documentação aceitável certificando sua segurança", informou, em comunicado, a Agência de Inspeção Alimentar do Canadá (CFIA, na sigla em inglês).

GABRIELA MELLO, Agência Estado

24 de março de 2011 | 09h38

Estados Unidos, Hong Kong, Austrália e Cingapura também barraram as importações de leite e vegetais. A França pediu à União Europeia (UE) que faça o mesmo, e o Japão está testando a água do mar para medir o impacto do vazamento radioativo na vida marinha.

O governo japonês ordenou a suspensão do consumo e dos embarques de itens agrícolas produzidos em áreas próximas da usina de Fukushima, que foi atingida por um forte terremoto e por um tsunami em 11 de março, o que desencadeou explosões e incêndios nas instalações nucleares. Testes feitos pelo Ministério de Saúde detectaram níveis muito elevados de iodo e césio.

As restrições do Canadá dirigem-se especificamente às cidades de Fukushima, Gunma, Ibaraki e Tochigi. "Quaisquer produtos potencialmente contaminados serão eliminados, de acordo com os protocolos da Comissão de Segurança Nuclear Canadense", informou o comunicado. "Dado o caráter evoltivo da situação japonesa, tais medidas serão ajustadas para garantir que a oferta de alimentos do Canadá continue protegida."

A CFIA revelou que "reconhece que o governo do Japão está tomando medidas para lidar com o problema e nós continuaremos apoiando tais esforços." A Agência de Serviços Alfandegários do Canadá informou que monitora rotineiramente os níveis de radiação dos contêineres. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.