Carlos Osorio/Reuters
Carlos Osorio/Reuters

Canadá terá primeiro hospital dedicado totalmente a pacientes de covid-19

Ao mesmo tempo, em todo o país, está se esgotando o fornecimento de vacinas contra a pandemia; autoridades temem colapso do sistema hospitalar

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2021 | 20h43

TORONTO - As autoridades da Província de Ontário, a mais populosa do Canadá, anunciaram nesta segunda-feira, 18, a inauguração do primeiro hospital do país dedicado exclusivamente ao tratamento de pacientes com covid-19. Ao mesmo tempo,  em todo o país, está se esgotando o fornecimento de vacinas contra a pandemia.

O Hospital Cortelluci Vaughan, localizado ao norte de Toronto, estava programado para ser inaugurado no fim de fevereiro como o primeiro hospital recém construído em Ontário em quase três décadas.

Mas a pressão da pandemia sobre os serviços hospitalares em Ontário, a segunda província canadense mais afetada pela doença depois de Quebec, forçou as autoridades locais a antecipar a abertura e dedicar suas instalações totalmente a pacientes com covid-19. 

O primeiro-ministro da província, Doug Ford, disse em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira que o hospital será aberto até o dia 7 de fevereiro.

Ontário está em estado de emergência desde a semana passada e registrou hoje 2.587 novos casos de covid-19. Pela primeira vez desde o início da pandemia mais de 300 pacientes estão utilizando respiradores. 

Na semana passada, as autoridades de Ontário advertiram que se continuar a tendência de aumento do número de infecções e com o surgimento da variante mais infecciosa do vírus, em fevereiro poderão ser atingidas 40 mil infecções por dia, o que fará o sistema hospitalar da província entrar em colapso, especialmente as unidades de terapia intensiva (UTIs). 

Diante dessas previsões, as autoridades revelaram que serão obrigadas a adicionar 500 leitos hospitalares dedicados a cuidados intensivos.

O anúncio da inauguração no Canadá do primeiro hospital dedicado aos pacientes covid-19 coincide com a escassez de doses das vacinas contra a pandemia produzidas pelas empresas Pfizer e Moderna.

Autoridades da Província de Alberta disseram que hoje ou amanhã o fornecimento da primeira dose das vacinas terminará depois de administradas cerca de 90 mil doses desde 15 de dezembro.

A escassez é o resultado de problemas de produção na Pfizer, que reduziu o ritmo em sua fábrica na Europa enquanto renovava as instalações para aumentar sua capacidade de produção. As autoridades canadenses disseram que os embarques da vacina da Pfizer serão reduzidos em 50% nas próximas quatro semanas./EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.