Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
CNES/AIRBUS DS via REUTERS (25/03/2021)
CNES/AIRBUS DS via REUTERS (25/03/2021)

Canal de Suez: por que ele é tão importante e como seu bloqueio afeta o mundo?

A construção do canal, no século 19, contou com 1,5 milhão de trabalhadores e demorou 10 anos para ser construído, mas levou apenas um dia e um navio de 400 metros para bloqueá-lo e atravancar o comércio marítimo mundial

Rick Gladstone, The New York Times

26 de março de 2021 | 09h00

As equipes de resgate da Holanda e do Japão que trabalham há três dias para tentar desencalhar o cargueiro Ever Given no Canal de Suez dizem que a embarcação só será liberada na quarta-feira da semana que vem.

Com 400 metros, o Ever Given tem em comprimento o mesmo que o Empire State Building tem de altura. O navio bloqueou a passagem em uma das rotas comerciais mais importantes do mundo, que liga Europa e Ásia, causando um prejuízo diário de US$ 9,6 bilhões.

A estimativa das perdas, segundo o Lloyd’s List, jornal britânico especializado em indústria marítima, tem como base o total do tráfego diário em direção ao Mediterrâneo - US$ 5,1 bilhões - somado aos US$ 4,5 bilhões que seguem diariamente para o Mar Vermelho. Especialistas, no entanto, dizem que o prejuízo pode ser ainda maior. Nesta quinta-feira, segundo autoridades egípcias, havia 185 navios parados, aguardando a passagem por Suez.

A hidrovia artificial de 193 quilômetros de comprimento, conhecida como Canal de Suez, tem sido um ponto potencial de conflito geopolítico desde sua inauguração em 1869.

Aqui estão algumas noções básicas sobre a história do canal, como ele funciona, como a embarcação emperrou e o que isso significa.

Onde fica o Canal de Suez?

O canal fica no Egito, conectando Porto Said, no Mar Mediterrâneo, ao Oceano Índico, através da cidade egípcia de Suez, no Mar Vermelho, no sul do país. A passagem permite um transporte mais direto entre a Europa e a Ásia, eliminando a necessidade de circunavegar a África e reduzindo o tempo de viagem em semanas.

O canal é o mais longo do mundo sem eclusas, as obras que permitem às embarcações subirem ou descerem os rios ou mares em locais onde há desníveis (barragem, quedas de água ou corredeiras).

Sem bloqueios para interromper o tráfego, o tempo de trânsito de ponta a ponta é em média de 13 a 15 horas, de acordo com a descrição do canal feita pela GlobalSecurity.org.

Quem construiu o Canal de Suez e quando?

O canal, originalmente de propriedade de investidores franceses, foi concebido quando o Egito estava sob o controle do Império Otomano em meados do século 19. A construção começou em Porto Said no início de 1859, a escavação levou 10 anos e o projeto exigiu cerca de 1,5 milhão de trabalhadores.

De acordo com a Autoridade do Canal de Suez, a agência governamental egípcia que opera a hidrovia, 20 mil camponeses foram convocados a cada 10 meses para ajudar a construir o projeto com "mão de obra excruciante e mal remunerada". Muitos trabalhadores morreram de cólera e outras doenças.

O tumulto político no Egito contra as potências coloniais do Reino Unido e da França retardou o progresso no canal, e o custo final foi quase o dobro dos US$ 50 milhões iniciais projetados.

Qual país controla o canal agora?

O Reino Unido, que controlava o canal nas duas primeiras guerras mundiais, retirou suas forças em 1956, após anos de negociações com o Egito, efetivamente cedendo a autoridade ao governo egípcio liderado pelo então presidente Gamal Abdel Nasser.

Qual foi a 'Crise de Suez' que quase levou à guerra?

A crise começou em 1956, quando o presidente do Egito nacionalizou o canal após a partida dos britânicos. Ele tomou outras medidas que foram consideradas ameaças à segurança por Israel e seus aliados ocidentais, levando a uma intervenção militar por forças israelenses, britânicas e francesas.

A crise fechou brevemente o canal e aumentou o risco de envolver a União Soviética e os Estados Unidos. A crise terminou no início de 1957 sob um acordo supervisionado pelas Nações Unidas, que enviaram sua primeira força de paz para a área. O resultado foi visto como um triunfo para o nacionalismo egípcio, mas seu legado foi uma tendência na Guerra Fria.

A crise de Suez também foi um tema na 2.ª temporada de "The Crown", a aclamada série da Netflix sobre a realeza britânica. No primeiro episódio, ela retrata o então primeiro-ministro britânico, Anthony Eden, tentando responder à crise.

O canal alguma vez foi fechado desde então?

O Egito fechou o canal por quase uma década após a guerra árabe-israelense de 1967, quando a hidrovia era basicamente uma linha de frente entre as forças militares israelenses e egípcias. Quatorze navios de carga, que ficaram conhecidos como "Frota Amarela", ficaram presos no canal até que ele foi reaberto em 1975 pelo sucessor de Nasser, Anwar Sadat.

Alguns encalhes acidentais fecharam o canal desde então. O mais notável, até esta semana, foi uma paralisação de três dias em 2004, quando um petroleiro russo encalhou.

O Canal de Suez foi projetado para receber o enorme navio que encalhou?

O navio encalhado, o Ever Given, que é operado pela Evergreen Shipping line, é um dos maiores navios porta-contêineres do mundo, com aproximadamente 400 metros de comprimento.

Embora o canal tenha sido originalmente projetado para atender navios muito menores, seus canais foram alargados e aprofundados várias vezes, mais recentemente, há seis anos, a um custo de mais de US$ 8 bilhões.

O que levou ao encalhe da embarcação e o que está sendo feito a respeito agora?

Acredita-se que a má visibilidade e os ventos fortes, que fizeram com que os contêineres empilhados do Ever Given agissem como velas, o tenham desviado do curso e levado ao seu encalhe.

As equipes de resgate tentaram vários remédios: puxar com rebocadores, dragar por baixo do casco e usar um carregador frontal para escavar o aterro leste, onde a proa está presa. Mas o tamanho e o peso da embarcação, 200 mil toneladas, haviam frustrado os resgatistas na noite de quinta-feira.

Alguns especialistas em salvamento marinho disseram que a natureza pode ter sucesso onde os rebocadores e dragas falharam. Uma maré alta sazonal no domingo ou na segunda-feira pode adicionar cerca de 18 polegadas de profundidade ao canal, talvez fazendo o navio flutuar.

Quais são as ramificações se o Ever Given permanecer preso?

Isso depende de quanto tempo o canal, que supostamente administra cerca de 12% do tráfego comercial marítimo global, está fechado. A TradeWinds, uma publicação de notícias do setor marítimo, disse que com mais de 100 navios esperando para atravessar o canal, pode levar mais de uma semana para que esse acúmulo seja resolvido.

Um fechamento prolongado pode ser extremamente caro para os proprietários de navios que esperam para transitar pelo canal. Alguns podem decidir reduzir suas perdas e redirecionar seus navios ao redor da África.

O proprietário do Ever Given já está enfrentando milhões de dólares em indenizações de seguros e o custo de serviços de salvamento de emergência. O governo do Egito, que recebeu US$ 5,61 bilhões em receita de pedágios do canal em 2020, também tem um interesse vital em desencalhar o Ever Given e reabrir a hidrovia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.