Canal estatal da Líbia reporta novos ataques em Trípoli

Alvos civis e militares teriam sido atingidos; testemunhas e residentes confirmam ter ouvido explosões

estadão.com.br

29 de março de 2011 | 15h17

TRÍPOLI - A televisão estatal da Líbia anunciou que a capital do país, Trípoli, sofreu um novo ataque dos "agressores das cruzadas" nesta terça-feira, 29, referindo-se aos bombardeios aéreos da coalizão internacional que atua no país africano.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

Segundo a emissora, várias explosões foram registradas em diversos locais da cidade. "Alvos civis e militares foram atingidos pelos colonizadores", informou o canal. Testemunhas confirmaram ter ouvido ao menos três explosões no centro da capital por volta das 12h30 (horário de Brasília).

 

Os ataques da coalizão começaram no dia 19 de março, após o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) autorizar a intervenção na Líbia. Tanques e instalações militares controladas pelas tropas leais ao ditador líbio têm sido os alvos as forças internacionais e têm ajudado os rebeldes que querem derrubar Kadafi e retomar alguns territórios perdidos nas últimas semanas.

 

Os bombardeios em Trípoli normalmente ocorrem durante a noite, diferentemente dos ataques desta terça. Os residentes da capital ouviram as explosões e disseram que aviões sobrevoaram a região mais cedo.

 

Um oficial militar dos EUA afirmou que navios e submarinos americanos dispararam contra Trípoli na noite da segunda e na manhã da terça para atingir depósitos de armas. Segundo ele, 22 mísseis Tomahawk foram disparados. Não se sabe, porém, se os disparos americanos têm relação com os ataques relatados pela televisão estatal líbia.

 

 

Com Reuters e Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.