Canal pornô abala gabinete britânico

Secretária pagou TV a cabo com verba pública

The Guardian, O Estadao de S.Paulo

31 de março de 2009 | 00h00

O futuro político da secretária de Interior da Grã-Bretanha, Jacqui Smith, foi posto em xeque depois que seu marido admitiu ter usado dinheiro público para pagar por filmes pornográficos na TV a cabo.Richard Timney, que além de marido é chefe de gabinete da mulher, enviou, em junho, uma conta de US$ 95 por serviços de televisão utilizados na residência do casal, na cidade de Redditch. O valor incluía US$ 14 pagos por dois filmes adultos.Timney pediu desculpas pelo "constrangimento" causado à esposa que, por sua vez, prometeu ressarcir o valor integralmente aos cofres públicos - incluindo o que foi pago pelos dois filmes pornográficos. Aos jornais britânicos, ela disse que não viu os filmes e se sentia "humilhada". Jacqui afirmou ainda que a conta em questão foi enviada para reembolso "por engano".O Parlamento já vinha investigando a secretária pelo recebimento de US$ 164 mil destinados ao pagamento de auxílio-moradia em Londres, apesar de ela se hospedar na casa de sua irmã quando está capital. A secretária teria indicado como "segunda residência" sua casa em Redditch, onde vivem o marido e os filhos, para poder embolsar o subsídio oficial.O líder da oposição, David Cameron, classificou a atitude de Jacqui como "profundamente constrangedora". "Parece-me realmente inacreditável que ela diga que a casa onde sua família vive (em Redditch) não seja sua residência oficial", afirmou Cameron.O premiê britânico, Gordon Brown, saiu em defesa da secretária. "Ela está fazendo um grande trabalho e esse assunto não pode apagar tudo o que ela tem feito para proteger a população e a nossa região", disse o premiê.Sobre a fatura dos dois filmes pornográficos comprados pelo marido da secretária, o premiê disse que "o assunto é muito pessoal". Na opinião de Brown, ela já "pediu desculpas e seu marido também deixou claro que está arrependido pelo ocorrido".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.