Câncer separa casais rapidamente, revela estudo

Além da preocupação com a saúde, portadoras de câncer no cérebro estão expostas a outro problema: o rompimento com o parceiro. Um estudo feito em vários centros de pesquisa e coordenado pelo professor da Universidade de Massachusetts Michael Glantz avaliou o impacto da doença entre casais. O resultado foi espantoso. Entre 214 mulheres com câncer no cérebro, o número de casos de separação era oito vezes maior do que o constatado entre os pacientes homens.O que mais chama a atenção dos pesquisadores é que os efeitos da doença no relacionamento do casal são quase instantâneos. Isso porque uma parcela significativa de mulheres com câncer cerebral morre até um ano depois do diagnóstico da doença. "É tudo muito rápido e ocorre justamente no período em que a mulher mais precisa de apoio", lembra Glantz.O estudo também avaliou 107 mulheres com esclerose múltipla e outros tipos de câncer. Nas portadoras de esclerose múltipla, o índice de separação é sete vezes maior do que o encontrado nos homens. Entre as 193 pacientes com outros tipos de câncer, é 12 vezes maior."Os casos de divórcio entre pacientes com câncer cerebral demonstram que os parceiros não estão dispostos a dar o apoio esperado." Para Glantz, os resultados do estudo sugerem que mulheres estão mais empenhadas em cuidar de seus maridos durante a doença. O professor está certo de que o rompimento, nos casos analisados, interferiu negativamente no tratamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.