REUTERS/Charles Platiau/File Photo
REUTERS/Charles Platiau/File Photo

Candidata de extrema direita na França diz que adversário é fraco com relação ao terrorismo islâmico

Marine Le Pen disse a repórteres que Emmanuel Macron ‘não tem projeto para proteger o povo francês’ e segundo turno será referendo sobre ‘globalização descontrolada’

O Estado de S.Paulo

24 Abril 2017 | 08h11

HENIN-BEAUMONT, FRANÇA - A candidata de extrema direita à presidência da França, Marine Le Pen, lançou um ataque direto nesta segunda-feira, 24, contra o adversário centrista, Emmanuel Macron, um dia após os dois terem avançado para o segundo turno das eleições.

A nacionalista qualificou o concorrente de “fraco” com relação a sua postura frente ao terrorismo islâmico. "Estou nas ruas para encontrar o povo francês para chamar sua atenção para assuntos importantes, incluindo o terrorismo islâmico, para o qual no mínimo podemos dizer que o senhor Macron é fraco", disse ela a repórteres.

"O senhor Macron não tem projeto para proteger o povo francês em face aos perigos islâmicos", disse Le Pen, acrescentando que o segundo turno contra ele, que será realizado no dia 7 de maio, será um referendo sobre a "globalização descontrolada".

Em uma viagem de campanha em Rouvroy, no norte do país, Le Pen criticou a "velha frente republicana podre, que já ninguém quer" e a qual "tenta se aliar" em torno de Macron.

A vitória do centrista, que até três anos atrás era desconhecido do grande público, ficou clara desde as primeiras projeções de boca de urna divulgadas às 20h locais (15h em Brasília). Com 93% das urnas apuradas, segundo o Ministério do Interior, o ex-ministro contava com 23,56% dos votos, enquanto Marine Le Pen tinha 21,94%.

A disputa, apertada como previam as sondagens, seguiu em aberto pelo terceiro lugar, com vantagem para o conservador François Fillon, que tinha 19,74% dos votos, contra 19,54% do radical de esquerda Jean-Luc Mélenchon, do França Insubmissa. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.