Candidata seqüestrada é inscrita na eleição presidencial da Colômbia

Enquanto aumenta a pressão internacional pela libertação da senadora colombiana Ingrid Betancourt, seu comitê de campanha anunciou a inscrição dela para as eleições presidenciais de 26 de maio, ainda que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) a mantenham seqüestrada. "Como a lei colombiana permite a inscrição de candidatos seqüestrados, estamos juntando os documentos necessários para inscrever sua candidatura presidencial antes de primeiro de abril", declarou hoje à Associated Press Francisco Rodríguez, chefe de comunicações da campanha presidencial de Betancourt.O Congresso aprovou no ano passado esta lei para permitir que cinco congressistas seqüestrados pela guerrilha possam aspirar à reeleição nas eleições legislativas do próximo domingo.Betancourt, de 40 anos e candidata pelo partido Oxigênio Verde, foi seqüestrada em 23 de fevereiro quando se dirigia por rodovia a San Vicente del Caguán, que foi sede das negociações de paz entre o governo do presidente Andrés Pastrana e as Farc, rompidas em 20 de fevereiro.Os partidos Verdes da América, Europa, África e Ásia solicitaram às Farc sua libertação em uma declaração publicada hoje pelo jornal Tiempo. As Farc disseram que Betancourt irá engrossar uma lista de cinco congressistas, outros dirigentes políticos e 47 policiais e soldados para trocá-los por guerrilheiros presos. Deram o prazo de um ano para negociar a troca. O governo rejeitou a proposta de troca dizendo que não se pode equiparar dirigentes políticos seqüestrados com guerrilheiros que estão presos, condenados ou acusados por delitos políticos e comuns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.