Efe
Efe

Candidato a governo no México é assassinado com outras quatro pessoas

Rodolfo Torre Cantú, do PRI, foi morto por homens armados; eleições serão neste domingo, 4

AE-AP, Agência Estado

28 de junho de 2010 | 18h01

Homens armados mataram o candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI) ao governo do Estado de Tamaulipas, Rodolfo Torre Cantú. O ataque, possivelmente realizado pelo crime organizado, afeta o clima político das eleições que acontecem no próximo domingo em vários Estados mexicanos.

Torre foi assassinado hoje com outras quarto pessoas nas proximidades de Ciudad Victoria, capital de Tamaulipas, no norte do país. Este é o primeiro crime contra um candidato a governador na história recente do México.

O secretário de governo, Fernando Gómez Mont, insinuou que o narcotráfico estaria envolvido, ao afirmar que o homicídio "referenda a necessidade de combater o crime organizado em todas as suas frentes".

Em 1994, o então candidato à presidência Luis Donaldo Colosio foi assassinado, embora nesse caso não tenha havido envolvimento do crime organizado.

Torre aparecida como o primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto para as eleições de 4 de julho. Ele concorria pela coalizão encabeçada pelo PRI, da qual participavam os partidos Verde Ecologista e Nova Aliança.

Repercussão

O PRI condenou o assassinato de seu candidato e exigiu das autoridades uma "rápida investigação" do crime, enquanto o governista Partido da Ação Nacional (PAN) anunciou a suspensão das campanhas de seus candidatos em Tamaulipas.

 

"Este lamentável fato ocorreu a seis dias das eleições e inevitavelmente contribuirá para turvar este processo que vemos como a via adequada para alcançar a plenitude democrática, contrária ao que preferem a violência", disse a líder nacional do PRI, Beatriz Paredes, em comunicado. No domingo serão realizadas eleições para os governos de 12 dos 31 Estados mexicanos, dentre eles Tamaulipas.

O PRI afirmou que o crime ocorreu quando Torre se dirigia ao aeroporto de Ciudad Victori. Ele estava acompanhado do deputado Enrique Blackmore Smer e dos ativistas Alejandro Martínez e Rubén López.

Torre, que tinha 46 anos, foi secretário da Saúde de Tamaulipas entre 2005 e 2009, quando foi eleito para o Congresso do Estado.

Tamaulipas, Estado que faz fronteira com os Estados Unidos, é um dos locais mais afetados pela violência do narcotráfico que já matou mais de 22.700 pessoas desde que o presidente Felipe Calderón lançou uma ofensiva contra o crime organizado em dezembro de 2006.

 

As autoridades atribuem a crescente violência em Tamaulipas a uma disputa entre o Cartel do Golfo e seus antigos aliados, os Zetas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.