Candidato afegão à presidência escapa de atentado

O candidato à presidência do Afeganistão que lidera as pesquisas para o segundo turno, Abdullah Abdullah, escapou nesta sexta-feira de uma tentativa de assassinato. A explosão de duas bomba matou pelo menos seis pessoas do lado de fora de um evento de campanha do qual ele participou, em Cabul.

Agência Estado

06 de junho de 2014 | 12h22

Primeiro, um homem detonou um carro-bomba perto do Toyota Land Cruiser blindado de Abdullah, quando ele estava saindo de uma reunião com partidários no hotel Ariana. A seguir, disseram testemunhas, outro suicida detonou o artefato que trazia junto ao corpo no meio de uma multidão que começava a se juntar no local. Dentre os mortos está um dos guarda-costas de Abdulla e dois motoristas de sua campanha.

Os ataques desta sexta-feira representam um significativo aumento da violência política, pouco antes do turno decisivo da eleição presidencial que acontece em 14 de junho e vai escolher o sucessor de Hamid Karzai.

Embora o Taleban tenha prometido várias vezes prejudicar a eleição, que considera ilegítima por causa da presença norte-americana no país, o grupo ainda não havia atacado eventos de campanha dos candidatos. Nenhum grupo havia assumido a autoria do ataque.

No momento do ataque, Abdullah, ex-ministro de Relações Exteriores, estava no interior de seu veículo blindado com outro ex-ministro de Relações Exteriores, Zalmai Rassoul, o candidato presidencial que terminou em terceiro lugar no primeiro turno da eleição, realizado em 5 de abril e que depois disso passou a apoiar Abdullah. Os dois não ficaram feridos e Abdullah participou de outro evento eleitoral em Cabul mais tarde.

"O objetivo do ataque de hoje foi criar medo e terror para impedir o povo afegão de votar", disse Abdullah a seus partidários horas depois das explosões. "A resposta correta para a ação de hoje é saia e vote.

Abdullah descreveu as explosões como uma "tragédia" e expressou suas condolências às famílias das vítimas. Além dos seis mortos, mais de 20 pessoas ficaram feridas, informou a polícia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.