Johan Ordonez/AFP
Johan Ordonez/AFP

Candidato do PRI declara vitória no México e é felicitado por Calderón

Enrique Peña Nieto celebra vitória com base em amostragem; esquerdista López Obrador prefere esperar anúncio oficial para se pronunciar

BBC Brasil, BBC

02 de julho de 2012 | 05h48

CIDADE DO MÉXICO - O candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI), Enrique Peña Nieto, declarou-se vitorioso nas eleições presidenciais de domingo no México com base em uma amostragem conhecida como contagem rápida dos votos.

Veja também:

linkPartido que dirigiu México por sete décadas deve retomar hegemonia

linkGovernistas denunciam irregularidades em 10% das mesas eleitorais do México

blog Veja como a compra de votos se modernizou no México

Peña Nieto também foi felicitado pelo presidente mexicano Felipe Calderón, do Partido Ação Nacional (PAN), mas o candidato esquerdista Andrés Manuel López Obrador, do Partido da Revolução Democrática (PRD), recusou-se a fazer qualquer pronunciamento até um anúncio oficial dos resultados da votação.

A contagem rápida - feita com base em uma amostra de 7.000 atas de registros de votos de 143.000 mesas eleitorais - costuma ser um indicador confiável dos resultados das eleições mexicanas.

De acordo com essa estimativa, Peña Nieto teria entre 37,93% e 38,55% dos votos e Obrador entre 30,09% e 31,86%.

Josefina Vázquez Mota, candidata do PAN (Partido Ação Nacional), de Calderón, teria obtido entre 25,10% e 26,03% dos votos.

Volta do PRI

Uma vitória de Peña Nieto levaria o PRI de volta ao poder após 12 anos. O partido governou o México de 1929 a 2000, até a vitória de Vicente Fox, também do PAN, presidente que antecedeu Calderón.

Obrador ficou em segundo lugar nas eleições presidenciais de 2006. Na época, ele se recusou a reconhecer a vitória de Calderón e liderou uma série de protestos.

Desta vez, todos os candidatos prometeram respeitar o resultados do pleito, que não prevê um segundo turno.

Além de seu novo presidente, os eleitores mexicanos escolheram neste domingo novos congressistas, alguns governadores e prefeitos, numa eleição marcada pelo debate sobre economia e a guerra às drogas.

Autoridades mexicanas afirmaram que a votação transcorreu pacificamente na grande maioria do país.

Milhares de policiais foram mobilizados para proteger quase 80 milhões de eleitores de possíveis atos de violência de cartéis em zonas eleitorais.

Economia e segurança

No campo econômico, as questões mais prementes na campanha eleitoral foram a pobreza extrema - que afeta quase um terço dos mexicanos - e a sensação, de grande parte da população, de perda de poder aquisitivo, apesar das taxas de crescimento recentes do país (entre 3% e 4%).

Outro tema importante do debate eleitoral foi a insegurança. O México vive sua maior onda de violência ligada ao narcotráfico, com casos de chacinas, sequestros e desaparecimentos ligados a disputas entre cartéis, e entre narcotraficantes e autoridades.

São estimados 50 mil mortos desde 2006, quando o presidente conservador Felipe Calderón foi eleito e abriu uma ofensiva contra o narcotráfico.

No entanto, não é esperada uma mudança radical na política de repressão ao tráfico, nem a retirada do Exército das ruas do país.

Outro tema que ganhou destaque durante a campanha foi o papel regional do México. O correspondente da BBC Mundo no país, Ignacio de los Reyes, explica que, para muitos mexicanos, é hora de o país tentar recuperar seu protagonismo na América Latina, perdido para o Brasil nos últimos anos.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.