Candidato finalmente apresenta sua versão mórmon aos eleitores

Cenário: Jodi Kantor / NYT

É JORNALISTA, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h04

Depois de recusar-se vários anos a discutir publicamente sua religião mórmon, Mitt Romney quebrou a regra na convenção republicana, na qual foi escolhido um painel de oradores que falaram do candidato como homem compassivo, de caráter e de profunda fé.

Durante a maior parte de sua carreira política, Romney disse que sua vida na igreja nada tem a ver com a política e sempre se referiu muito superficialmente às suas opiniões em matéria de religião, temendo que seu credo influísse negativamente nas suas chances de eleger-se. No entanto, mudou de ideia por um problema urgente: os eleitores que o acham distante e desagradável tornaram-se uma ameaça maior ao seu futuro político do que os que talvez se mostrem preconceituosos em relação à religião mórmon.

Em seu discurso na noite apoteótica da convenção, Romney testemunhou que a fé sempre norteou a sua vida. Outros oradores relataram episódios repletos de grande carga emocional: Romney ajudando os membros da igreja cujos filhos estavam doentes ou morrendo; agachando-se ao lado do berço de uma criancinha inválida para orar por sua sobrevivência; ajudando o adolescente David, com um câncer incurável, a redigir o seu testamento. Quando o jovem estava morrendo, lembra sua mãe, Pat, "Mitt puxou um caderninho amarelo e, sentado ao lado de David, escreveu tudo o que ele queria". "Talvez gente muito rica ou que esteja no topo do mundo menospreze as pessoas comuns, mas ele não", acrescentou Pat, tocando no argumento de que Romney precisa se conectar emocionalmente com os eleitores.

Falar ou não falar de sua fé foi, durante meses, motivo de discordância na campanha. Muitos membros da família (e outros mórmons) afirmavam que Romney precisava revelar mais sobre sua vida na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mas seus assessores políticos, poucos dos quais são mórmons, mostraram-se relutantes ao risco. Entretanto, nas últimas semanas, Romney decidiu falar mais de religião.

Ele mencionou Deus e Jesus várias vezes em recentes entrevistas, quando falou à CNN sobre sua viagem a Jerusalém. "Acredito na missão de Jesus Cristo. Acredito que ele caminhou naquelas ruas que nós estávamos percorrendo." Seus assessores, que costumavam repreender os repórteres que perguntavam sobre sua fé, passaram a convidá-los a assistir aos serviços religiosos e, em seu discurso na noite de terça-feira em Tampa, na Flórida, Ann, mulher de Romney, usou a palavra "mórmon" em vez dos costumeiros "igreja" ou "fé".

Vários delegados da numerosa representação mórmon presente em Tampa disseram estar emocionados com a mudança. "Estamos felizes pelo fato de as atenções se voltarem para a igreja. Não temos nada a esconder", disse Denise Nielsen, de 52 anos, sete filhos, de Thousand Oaks, na Califórnia, presidente regional da campanha de Romney.

Provavelmente, o mormonismo de Romney na campanha será cuidadosamente editado, sem nada que suscite discussões teológicas, especialmente entre evangélicos. Não deve ser mencionado, por exemplo, que como líder religioso Romney já defendeu limites à liderança feminina. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.