Candidato kirchnerista visita Raúl Castro em Havana

O candidato kirchnerista à presidência da Argentina, Daniel Scioli, encontrou-se na tarde de ontem com o presidente cubano, Raúl Castro. O governador da Província de Buenos Aires postou uma foto dos dois no Twitter, que foi bastante comentada.

Rodrigo Cavalheiro, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2015 | 02h04

Os primeiros comentários postados continham elogios ao argentino, exaltando seu perfil conciliador e tratando-o já como presidente. Entre os últimos, a maioria o criticava, questionando se ele também encontraria Fidel Castro e terminaria sua viagem passando por Bolívia e Venezuela. Um internauta o chamou de "invotável".

A presidente Cristina Kirchner manteve uma política externa próxima dos países bolivarianos, algo que os membros da campanha de Scioli dizem ser uma das principais diferenças entre os dois.

"A viagem é um movimento interessante de Scioli. Primeiro, porque se ele ganhar, tentará se reaproximar dos EUA. E ir a Cuba agora é uma garantia de que esta foto circulará na imprensa internacional. É passar a imagem de um estadista que ele não é", diz o sociólogo Carlos de Angelis, professor da Universidade de Buenos Aires.

A visita à ilha ocorre num momento em que Scioli tenta se aproximar da base kirchnerista, principalmente do movimento La Cámpora, que o vê como um político cunhado do lado conservador do peronismo.

" É uma tentativa também de agradar um grupo de intelectuais argentinos kirchneristas, como o Carta Aberta, para quem Cuba é um modelo. Eles detestam Scioli", avalia De Angelis.

Na terça-feira, a presidente argentina, que também não via Scioli como nome ideal para substituí-la e o destratou algumas vezes, o aplaudiu de pé pela primeira vez na inauguração de uma estrada. O gesto foi interpretado como uma orientação aos militantes mais radicais para aceitá-lo.

No dia 9 de agosto, o país terá eleições primárias. Embora Scioli seja o candidato único do kirchnerismo, o número de votos que receber medirá o apoio que ele reuniu dentro do variado espectro ideológico peronista - e quantos independentes terá de buscar se quiser vencer no primeiro turno, em outubro. Para isso, será necessário chegar aos 45% dos votos válidos ou a 40%, desde que obtenha 10 pontos de vantagem sobre o segundo colocado.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.