Orlando Sierra/AFP PHOTO
Orlando Sierra/AFP PHOTO

Candidato opositor em Honduras rejeita resultados eleitorais e acusa manipulação

Salvador Nasralla e Juan Orlando Hernández aparecem quase empatados, mas atual presidente tem vantagem; falha no sistema que divulga a contagem de votos faz oposição duvidar dos resultados

O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2017 | 01h15

TEGUCIGALPA - O candidato opositor de Honduras, Salvador Nasralla, afirmou nesta quarta-feira, 29, que não reconhece os resultados do "Tribunal Eleitoral trapaceiro" que leva adiante a contagem de votos das eleições de domingo e acusou a Corte de manipular os números para favorecer a reeleição do presidente Juan Orlando Hernández.

No começo, Nasralla estava com uma vantagem de cinco pontos contra o atual presidente até que a contagem de votos parou na segunda-feira, 27. Quando foi reiniciada na terça-feira, os resultados começaram a favorecer Hernández, que avançou ainda mais no dia seguinte antes que os votos parassem de ser contados de novo.

O Tribunal Supremo Eleitoral de Honduras informou ainda na quarta-feira que o sistema que vem alimentando a página oficial sofreu uma falha que não põe em risco os resultados. O problema foi notificado pelo presidente do TSE, David Matamoros, três horas depois de a página ter registrado a mínima vantagem do presidente do país sobre Nasralla.

Matamoros pediu desculpas pelo problema e acrescentou que os observadores internacionais, que estão a par do processo, foram notificados e que todas as medidas técnicas foram tomadas para reestabelecer o sistema o mais rápido possível. "É impossível modificar os resultados", disse o presidente do TSE ao explicar que também não se pode colocar atas em branco, sem assinatura, porque todos os partidos têm suas cópias de cada ata original e podem demonstrá-las. Segundo Matamoros, a contagem de votos está quase no fim, e o TSE prevê anunciar o vencedor das eleições ainda nesta quinta-feira, 30.

++ Eleitores hondurenhos vão às urnas; atual presidente é favorito

Horas depois de assinar um pacto com a Organização dos Estados Americanos (OEA), no qual se comprometeu a aceitar os resultados do tribunal, Nasralla disse a jornalistas que os dados foram distorcidos durante vários cortes no sistema do TSE. "O Tribunal manipula descaradamente as urnas eleitorais, pelo que não reconhecemos o sistema do Tribunal Eleitoral trapaceiro", disse Nasralla durante coletiva de imprensa, cercado por simpatizantes.

As afirmações dele se deram pouco depois de o TSE divulgar novos resultados em sua página na internet. Os números mostram, pela primeira vez, uma pequena vantagem de Hernández, com 42,21% dos votos apurados contra 42,11% de Nasralla. Até aquele momento, 82,89% das urnas já tinhas sido apuradas.

"Não reconhecemos os resultados porque hoje (quarta-feira) caiu o servidor (do TSE) e começaram a entrar coisas que não podemos permitir, atas que não estão assinadas e vocês podem verificar, são atas violadas, não tem assinatura dos reprensetantes das mesas", afirmou o candidato opositor, um aprensetador de TV de 64 anos.

Nasralla ainda disse que o pacto que ele e Hernández assinaram com a OEA "não tem validades porque não vou aceitar que se inseram atas adulteradas" na votação. /Reuters, EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.